Perfil financeiro: como você lida com suas finanças?

Você conhece bem o seu perfil financeiro? Sabemos da importância de se planejar bem financeiramente para conseguir alcançar um sonho. Mas mais do que planejamento, é preciso também ter educação financeira. Nada mais importante então do que entender que rumo estão tomando suas finanças, para saber quais hábitos podem ser criados, aprimorados ou deixados de lado.

A maneira como organizamos nossas finanças pode refletir na maneira como organizamos nossa vida! Às vezes pessoas que ganham muito dinheiro não conseguem realizar planos a longo prazo. Em contrapartida, pessoas com um salário bem mais modesto conseguem concretizar seus sonhos em menor tempo. Com base nisso, descrevemos alguns perfis financeiros para ajudá-lo nesta tarefa de educar-se financeiramente. E aí, em qual você se encaixa?

Investidores

Pessoas que se enquadram nesta categoria geralmente pensam mais a longo prazo e prezam pela independência financeira. Quando uma pessoa investe o seu dinheiro, está pensando em ter um futuro confortável para ela mesma e para a família, o que inclui mais liberdade para fazer as suas escolhas. Acontece que este perfil envolve muita disciplina, uma vez que é preciso economizar dinheiro.

Além de economizar, investidores costumam ter um perfil bem analítico. Estão sempre envoltos em contas, porque é preciso analisar minuciosamente condições de pagamento, juros e correções, por exemplo. Além disso, é preciso estar atualizado sobre todas as novidades no que diz respeito a investimentos. Pessoas com esse perfil podem talvez serem recriminados por “pensarem demais” antes de fazer qualquer gasto. Geralmente, como costuma haver um rendimento, não falta dinheiro para viajar ou outras diversões.

Poupadores

Um poupador, como o próprio nome diz, é aquele que se empenha em poupar dinheiro. Pessoas com este perfil financeiro costumam gastar somente com o necessário e se policiam para não fazer dívidas. Comprar à vista, não utilizar cartões de crédito (salvo em caso de urgência), analisar preços com cautela são algumas das atitudes mais comuns. O poupador está sempre de olho nas suas despesas do dia a dia e pensando se vale mesmo a pena gastar o seu dinheiro com o que quer que seja.

No entanto, às vezes o poupador não sabe exatamente para quê está guardando suas finanças. É comum ter um pouco de dinheiro guardado para emergências, para não “ficar na mão”. Ainda que alguém com este perfil saiba guardar dinheiro, esta pessoa pode voltar à estaca zero a qualquer segundo, diante de uma situação que despenda um gasto muito alto. É comum que um detentor deste perfil não viva experiências novas e não relaxe muito diante do medo de ficar sem dinheiro.

Gastadores

Os gastadores são adeptos à filosofia do Carpe Diem (aproveite o dia em latim) e não se preocupam muito com os seus gastos. Esse perfil financeiro preza pelo seu momento presente, não se atentando muito com o que vale ou não a pena gastar. Não raramente essas pessoas costumam se martirizar por “ter gastado tanto”, mas na hora não deixam que o dinheiro seja um empecilho para desfrutar a situação. Um gastador não necessariamente é uma pessoa que tem dinheiro, mas que, mesmo dispondo de pouco capital não está muito atento às suas economias.

Para o indivíduo com este perfil financeiro é quase impossível guardar dinheiro, seja para um investimento a longo ou curto prazo. Pessoas assim estão mais abertas a experiências novas, criam muitos hobbies mas não contam com uma segurança financeira no futuro, podendo “ficar na mão” a qualquer segundo.

Endividados

Pessoas que não têm limites para gastar é uma boa definição para o perfil financeiro endividado. Geralmente é comum que quem tem este tipo de personalidade faça muitas dívidas por agirem sem pensar, gastando com absolutamente tudo o que têm vontade. Usar o cheque especial, pagar o cartão de crédito parcialmente, comprar tudo em prestações e muitas vezes até estourar o limite do carão fazem parte da rotina.

Os endividados costumam pagar juros muitas vezes sem necessidade, além de não conseguirem realizar objetivos financeiros. Efetivamente percebem que muitas das coisas que adquiriram não eram de fato necessárias, e acabam se desfazendo delas pouco tempo depois.

O autoconhecimento é a melhor ferramenta para analisar e mudar comportamentos. Com o dinheiro não é diferente. Observe os seus planos e metas a curto e longo prazo e analise se atualmente você pode implementar alguma mudança, mudando o seu perfil para outro mais conveniente.

Se você já começou esta mudança ou é um investidor, veja nossa dica para investir seu dinheiro de  maneira proveitosa!